Paciente se casa no Hospital Regional da Transamazônica e realiza sonho de 34 anos

Alianças foram trocadas na ala da clínica cirúrgica da unidade, força-tarefa da equipe montou a estrutura em poucas horas para o tão esperado sim

Depois de 34 anos à espera do ‘sim’ no altar, Sulamita Pereira, de 57 anos, conseguiu realizar o sonho de casar com seu amor, José Viana. Com direito a aliança e convidados, a cerimônia foi realizada na ala da clínica cirúrgica do Hospital Regional Público da Transamazônica, em Altamira, onde a paciente está internada para tratamento de uma pancreatite.

O evento foi organizado em parceria com a prefeitura de Altamira, que acionou o HRPT ao identificar que seu José, o noivo, participaria do casamento comunitário sem a presença da noiva, por conta da internação dela. A paciente seria representada pela cunhada, dona Maria dos Remédios, por meio de uma procuração.

Ao ser acionada, a unidade, que pertence ao Governo do Pará e é gerenciada pela Pró-Saúde, montou uma força-tarefa para organizar a ala da clínica cirúrgica em poucas horas, onde Sulamita está internada desde o dia 13 de junho. Com ajuda do Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) e do serviço de Pastoral da Saúde, o espaço foi estruturado para a celebração.

A paciente nunca escondeu de ninguém o desejo de oficializar a união com o amado e aguardava ansiosa, pois não o via pessoalmente há 15 dias. “Estou com muita saudade dele, só quero poder abraçá-lo bem forte”, comentou a noiva.

Seu José também era só ansiedade. Para ele, era um momento especial, já que o casamento havia sido adiado por muitos anos.

“Quando ficamos sabendo do casamento comunitário, ela foi atrás de toda a documentação. Depois fiz o pedido de casamento e ela aceitou. Só não esperávamos que seria tão rápido. Como ela passou mal e precisou se internar, demos um jeito, que foi a procuração e agora vamos fazer a cerimônia aqui no hospital. Eu estou muito feliz!”, celebrava o noivo.

A ansiedade dos dois era visível. Ela, de vestido amarelo, tentava disfarçar a emoção de estar se casando aos 57 anos de idade. Seu José não escondia o nervosismo enquanto aguardava no altar improvisado da clínica, junto com os convidados, colaboradores e pacientes.

Melsemias Carvalho, ancião da Congregação Cristã do Brasil e membro do serviço de Voluntariado do HRPT, foi o celebrante da união. “É uma benção presenciar e poder abençoar este casal que esperava tanto por este momento perante o Senhor”, disse o religioso.

Após o beijo dos noivos e fim do enlace, a coordenadora da Clínica Cirúrgica, Cerly Sousa, parabenizou o casal e agradeceu a participação e envolvimento da equipe para que tudo fosse organizado a tempo.

“Avaliamos o quadro clínico dela para saber se poderíamos liberar e deu tudo certo! Ficamos muito felizes em ver a celebração do amor mesmo em meio às dificuldades. Isso só reforça a famosa frase que conhecemos e estamos vendo aqui, que é o amor na saúde e na doença” afirmou emocionada..

Dona Sulamita e seu José são um dos 100 casais que oficializaram a união em matrimônio por meio do Projeto Bem Casados, realizado neste sábado (25), em parceria da prefeitura de Altamira, por meio da Secretaria municipal de Assistência e Promoção Social (SEMAPS) com o Governo do Pará.

O casamento de Sulamita e José é o segundo realizado no Hospital Regional da Transamazônica, unidade que é referência para mais de 500 mil pessoas nos nove municípios da região do Xingu. Em 2018, o paciente oncológico Enio Sousa se casou, no dia 28 de maio, com Gleyce Santos, com quem já vivia há nove anos e tinha três filhos.