Dia Mundial do Rim: Regional da Transamazônica faz alerta sobre prevenção da doença renal

O Dia Mundial do Rim é celebrado nesta quinta-feira, 10 de março, com o intuito conscientizar e orientar sobre a doença renal. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), uma em cada dez pessoas no mundo podem desenvolver a doença renal crônica.

Referência para nove municípios da região do Xingu, o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), unidade que pertence ao Governo do Pará e é gerenciada pela Pró-Saúde em Altamira, se une à campanha mundial. O HRPT é o único hospital a oferecer serviço de hemodiálise gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na região.

De acordo com Eduardo dos Anjos, médico nefrologista da Pró-Saúde com atuação no HRPT, exames simples e de rotina, como o de glicemia e verificação de pressão, permitem identificar o risco de desenvolver a doença.

“Pessoas acima do peso, mas, especialmente, as com obesidade, têm maior risco de desenvolver a hipertensão, principal causa da doença renal no país, seguida pelo diabetes mellitus”, afirma o médico.

Ainda segundo Eduardo, sedentários e fumantes também fazem parte do grupo de risco da doença, que pode ser evitada com a adoção de medidas simples. “A prática regular de exercícios, alimentação saudável, ingestão diária de, pelo menos, dois litros de água, e uso de medicamentos somente com prescrição médica são hábitos essenciais para a saúde dos rins”, alerta o nefrologista.

Insuficiência renal

A doença renal crônica dificulta ou interrompe a capacidade dos rins de filtrar as impurezas do sangue, como resíduos, sais e líquidos. Dependendo da gravidade do caso, é necessário realizar sessões de hemodiálise, procedimento no qual uma máquina executa a função do órgão, filtrando o sangue e devolvendo-o limpo ao corpo.

Os principais sintomas da doença renal são pressão alta; inchaço ao redor dos olhos e nas pernas; fraqueza constante; náuseas e vômitos frequentes; dificuldade de urinar; queimação ou dor quando urina; urinar muitas vezes, principalmente à noite; urina com aspecto sanguinolento ou com presença de espuma; dor lombar e histórico de pedras nos rins.

Euclides Aragão, de 40 anos, é um dos 108 pacientes em atendimento no Regional da Transamazônica. Ele descobriu a doença há mais de sete anos, e, desde então, utiliza a máquina de hemodiálise três vezes por semana.

“Comecei a perceber meus pés inchados e sentia um cansaço sem explicação. Foi então que procurei atendimento médico. Depois de alguns exames, foi constado que meus rins estavam completamente paralisados. Fui encaminhado imediatamente ao Regional para iniciar a hemodiálise”, conta o paciente.

Atuando como unidade de referência, o Regional da Transamazônica promove constantemente ações informativas para colaboradores, pacientes e acompanhantes sobre a doença renal crônica. Este mês, em alusão à data comemorativa, a unidade realizará, no dia 18 de março, palestras informativas sobre prevenção, causas e tratamento das doenças dos rins.