Especialista do Hospital Regional da Transamazônica explica os principais tipos, formas de transmissão e sintomas do herpes

O herpes é uma doença infecciosa ocasionada pelo vírus herpes simplex e provoca o surgimento de pequenas bolhas cheias de líquido. Elas podem aparecer na pele, na cavidade oral (boca), olhos e região genital.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, mais de 90% dos brasileiros adultos já foram infectados em algum momento da vida, porém, a maioria não desenvolve sintomas.

A transmissão se dá pelo contato direto da parte infectada (ferida) de uma pessoa, podendo ser pelo beijo, compartilhamento de objetos ou por meio da relação sexual. A doença possui dois tipos principais: Herpes tipo 1 e tipo 2. A primeira ocasiona feridas nos lábios da boca, e a segunda atinge os órgãos sexuais.

De acordo com Janete Briana, enfermeira Epidemiologista do Hospital Regional Público da Transamazônica, unidade que pertence ao Governo do Pará e é gerenciada pela Pró-Saúde, a doença não tem cura, mas possui um tratamento minucioso, que precisa ser feito com o uso de pomadas e medicamentos antivirais. Assim, o vírus pode ser combatido e permanecer inativo no organismo por toda a vida.

“Uma grande parcela da população possui o vírus, mas ele permanece dormente ou latente (inativo) no nosso corpo. Quando se manifesta no lábio, por exemplo, a infeção pode durar de cinco a dez dias”, explica.

Sintomas e tratamento
Segundo a enfermeira, os sintomas vão além do surgimento de bolhas que se rompem e viram feridas, podendo apresentar ardência, sensibilidade no local, vermelhidão e inchaço.

“As pessoas infectadas devem evitar ao máximo a exposição ao sol, beijar e manter relações sexuais, pois mesmo sem feridas visíveis, o vírus pode estar presente nos órgãos genitais”, explica a profissional.

Em alguns casos, o herpes pode se manifestar após exposição intensa ao sol ou fatores que provocam queda na imunidade, como febre, coceira e até mesmo tensão emocional.

De acordo com Janete, para que o tratamento seja eficaz, é necessário agir rápido para conter a infecção, de preferência assim que o primeiro sinal de desconforto ou formigamento surgir na região, antes das bolhas. Para isso, a pessoa precisa procurar atendimento médico, assim, receberá a prescrição do medicamento antiviral ideal para a lesão.

“É importante manter a região infectada sempre limpa, higienizando com água e sabão. A aplicação de gelo na região infectada pode reduzir o inchaço e ter um efeito calmante”, complementa.