Brigadistas do HRPT simulam incêndio e evacuação de vítimas em treinamento

Ediane Mariano é auxiliar administrativa do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), do Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira, no sudoeste do Pará. Mas, na última semana ela teve que realizar funções bem diferentes das que faz diariamente, como fechar o registro de um botijão de gás pegando fogo, apagar fogo usando o extintor de incêndio e realizar o resgate e o transporte de vítimas.

Ediane e outros 110 colaboradores da unidade passaram pelo Curso de Formação da Brigada de Incêndio no início deste mês, no Hospital Regional Público da Transamazônica. Os novos brigadistas foram divididos em quatro turmas e aprenderam noções básicas de combate a incêndio e socorro às vítimas em caso de sinistro na unidade. Foram ministradas aulas teóricas sobre primeiros socorros, evacuação, método de avaliação de múltiplas vítimas, além da parte prática, com simulações de situações de sinistro. Quem participou do curso, aprovou.

“O curso é importante, sobretudo a prática, para que a gente vivencie situações de emergência, teste nossas habilidades e consiga manusear os equipamentos necessários. Caso haja um princípio de incêndio na unidade, temos colaboradores aptos e capacitados a identificar as situações de emergência, combater o fogo, promover a evacuação e prestar os primeiros socorros às vítimas, cumprindo com segurança todos estes procedimentos”, afirmou a auxiliar administrativa.

Segundo o cabo Douglas Oliveira dos Santos, ministrante do treinamento, neste ano o curso trouxe uma novidade, o método “START” de atendimento pré-hospitalar, que classifica a gravidade de cada vítima através de cores. “Demos bastante ênfase nestes dias à prática, trabalhamos primeiros socorros, evacuação de área, sinalização, além de combate a incêndio, com posição do fogo, como extinguir fogo, extintores, hidrantes, etc. Desta vez resolvemos implementar as evacuações, utilizando as saídas de emergência da unidade, e o método START, que é adotado para a triagem de múltiplas vítimas, como seria o caso do hospital em um sinistro. Toda equipe que participou está competente a atuar em situações de emergência, caso houver”, disse.

O Hospital Regional Público da Transamazônica, que é gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, por meio de contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), realiza anualmente o treinamento da brigada de incêndio, de acordo com a Norma Brasileira (NBR) 14.276, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a Instrução Técnica  (IT) 17 do Corpo de Bombeiros do Pará e a Norma Regulamentadora (NR) 23, do Ministério do Trabalho.

Harry Kinsey, engenheiro do trabalho do HRPT, explica que há um cálculo de quantos brigadistas são necessários, de acordo com o número de colaboradores do hospital. Ele destaca ainda que a equipe aumentou, mantendo os membros do ano passado e trazendo “reforços”, contemplando todos os setores da unidade.

“Como tivemos um aumento no quadro de funcionários, nós redimensionamos chegando a 111 brigadistas, baseados na IT 17 e a NBR 14.276. O quadro da brigada compreende colaboradores de todos os setores, nossa brigada é composta por profissionais de quase todas as áreas. O que fizemos foi treinar os novos brigadistas e fazer uma reciclagem com quem já estava”, conclui.