Hospital Regional de Altamira orienta equipe assistencial sobre prevenção de lesão por pressão

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Popularmente conhecida como escara, a lesão por pressão é uma ferida na pele que ocorre, na maioria das vezes, em pacientes com dificuldade para se locomover, provocando sofrimento e prolongando o seu período de internação. No Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira, enfermeiros e técnicos de Enfermagem atuam de forma preventiva para evitar a ocorrência dessas lesões nos usuários atendidos na unidade. A instituição adota o protocolo de Prevenção de Lesão por Pressão, estabelecido pelo Ministério da Saúde, e promove ações educativas para orientar os colaboradores sobre o assunto.

 

Neste mês, o HRPT realizou a primeira edição da campanha de prevenção de lesão por pressão, com o slogan “Faça a sua parte: mude a posição e evite a pressão”. A iniciativa foi promovida nas unidades de Internação, Unidade de Terapia Intensiva e no setor de Nefrologia, que atende pacientes renais crônicos.

 

Segundo a enfermeira Alnilan Ureal, durante a programação os colaboradores foram orientados sobre avaliação de risco e medidas preventivas. “Nesse encontro, alertamos para o risco de o paciente desenvolver lesão por pressão e destacamos que ela pode ser evitada com a aplicação correta de todos os planos de cuidados disponíveis na unidade”, comentou a enfermeira.

 

Dentre as medidas preventivas destacam-se a identificação e sinalização do usuário com risco de lesão por pressão, mudança de decúbito, manutenção de lençóis secos sem cisalhamentos, massagem de conforto e proteção de proeminências ósseas.

 

A enfermeira da UTI Adulto, Loreane Correa, afirmou que a campanha contribui para o atendimento humanizado. “Eu aprovo a iniciativa de capacitar e esclarecer enfermeiros e técnicos de Enfermagem, profissionais que lidam todos os dias com procedimentos complexos. Na UTI Adulto, por exemplo, o perfil dos pacientes os expõe ao risco de desenvolver lesão por pressão. Portanto, é sempre bem-vindo o conteúdo que permite aperfeiçoar o cuidado com o paciente. Afinal, quanto mais se capacita, mais se previne e mais se melhora a assistência”, frisou a colaboradora.

 

Para a coordenadora da Nefrologia, Rosivânia da Silva Barros, a inclusão do setor na programação foi fundamental. “Mesmo a hemodiálise sendo classificada como atendimento ambulatorial e não possuir leito ou maca, hoje o serviço é ofertado em poltronas. Por isso, nós orientamos que os nossos colaboradores façam a mudança de decúbito para evitar a pressão e deixar o usuário mais confortável. Esses treinamentos contínuos ajudam o profissional a desenvolver o domínio necessário para executar o procedimento”, explicou Rosivânia.

 

Atualmente, 239 técnicos de Enfermagem e 46 enfermeiros atuam no Hospital Regional Público da Transamazônica, que é gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Todos eles estão sendo orientados sobre a temática, o que, de acordo com a diretora de Enfermagem, Luciane Madruga, é essencial. “Com equipe preparada não há imprevistos ou ocorrências de lesão por pressão. Por isso, é fundamental capacitamos nossos profissionais, e assim oferecermos o melhor atendimento”, argumentou a gestora.