Como manter profissionais capacitados em saúde na região amazônica

O treinamento contínuo tem sido uma das principais estratégias da Pró-Saúde para vencer a distância e manter atualizados os profissionais que atuam em hospitais do Brasil remoto. 

A distância pode ser uma dificuldade determinante na gestão de uma unidade de saúde. Adquirir insumos e equipamentos para manter um hospital abastecido exige um rigoroso planejamento logístico. Mas quando se trata de compor uma equipe de profissionais altamente qualificada atuando em locais do Brasil remoto os obstáculos aumentam.

É o que acontece em Altamira, o famoso município do sul paraense que, por muitos anos, ostentou o título de maior do mundo. Chegar lá já é uma dificuldade, especialmente se o trajeto for por rodovia. São mais de 20 horas para percorrer um trecho aproximado de 1.200 km.

Mas é lá que está um dos melhores hospitais públicos do país, segundo a Organização Nacional de Acreditação (ONA). “Não há dúvida que aqui o talento de nosso corpo de colaboradores tem feito a diferença”, afirmou Edson Primo, diretor do Hospital Regional Público da Transamazônica.

Ao longo do ano, a unidade promoveu 142 ações de capacitação e aperfeiçoamento voltadas aos colaboradores do hospital, por meio do Núcleo de Educação Permanente (NEP). “O Núcleo é uma expertise da Pró-Saúde, que entende que o aperfeiçoamento profissional é resultado de uma prática contínua e perene”, acrescentou o diretor Hospitalar.

A Pró-Saúde é uma das maiores entidades filantrópicas de gestão de serviços hospitalares no país. Administra o Hospital Regional em Altamira desde 2006, por meio de um contrato firmado com o Governo do Pará. Neste período, foi responsável pela condução de todos os processos que culminaram nas certificações de qualidade conquistadas pelo hospital.

O NEP é responsável pela promoção e qualificação dos profissionais associadas às competências do Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), como foco no resultado e gestão de pessoas.

Neste ano, na segunda quinzena de outubro, as ações foram intensificadas devido a programação especial que recebeu o nome de “Semana de Desenvolvimento”, com atividades voltadas ao despertar da curiosidade nos colaboradores, permitindo uma revisão de competências individuais e, desse modo, desenvolver essas qualificações.

A ação foi realizada pelo NEP, que usou metodologias contemporâneas de capacitação, integrando os colaboradores por meio de uma dinâmica, estimulando o pensamento crítico-reflexivo e, dessa forma, possibilitando agregá-lo ao seu ambiente de trabalho. A dinâmica incentiva a criação de questionamentos de forma coletiva. Após cada atividade, os colaboradores também receberam a explicação sobre como aquela ação poderia ser aplicada em suas atividades diárias.

Além disso, em uma roda de conversa, os colaboradores do Hospital Regional tiveram a oportunidade de compreender a importância do seu desenvolvimento. Também perceberam que a mudança de atitude pode gerar grandes transformações pessoais e profissionais. Essa modificação reflete diretamente na satisfação do paciente.

Para a coordenadora do NEP, Lourdilene Nunes, a aprendizagem não é mais compreendida apenas como um evento singular e visual que ocorre em um único lugar. “Ela precisa acontecer de maneira ininterrupta com um processo de aprendizagem no qual o ser humano compartilha conhecimentos e que proporcionem uma maior interação entre equipes, desenvolvendo competências, valores e princípios agregados às estratégias de acordo com função e cargo”, afirma.

O Hospital Regional da Transamazônica foi idealizado e concebido para prestar atendimento humanizado e de qualidade, em média e alta complexidades ao usuário referenciado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no interior do Estado. A unidade é referência para os habitantes dos nove municípios que fazem parte da Região de Integração do Xingu (Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá, Porto de Moz, Senador José Porfírio, Uruará, Vitória do Xingu). É uma unidade de retaguarda, com atendimento de urgência e emergência, e a única que possui serviço de Hemodiálise na região.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 22 cidades de 12 Estados brasileiros – a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativo, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.